segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Bolachas hospitaleiras

Acabada de chegar a Lisboa, vinda de um voluntariado em Barcelos, um senhor muito atrapalhado pede-me ajuda nos comboios. diz-me que vai para o Cacém, estação anterior à minha. Digo-lhe isso mesmo e ofereço-me para o acompanhar. Falamos durante a viagem que durou uns 45 minutos. Não faço ideia do nome dele; nem ele do meu. Isto só prova que não precisas de ir para campos de férias, andar em grupos de jovens, ser católica ou acreditar em fadas para ajudar. Basta olhares com atenção. Basta isso.

2 comentários:

  1. Um dia, no metro (linha azul) um casal de idosos estava como um burro a olhar para o palacio, a tentar perceber em que estação haviam de ir. Acabei por "atrasar" tudo o que ia fazer para os acompanhar até à estação que eles precisavam :) senti-me bastante bem.

    ResponderEliminar

Dá aí a tua opinião