quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Bolachas na hora de ponta

"No Man's Land
9h18, hora de ponta, comboio cheio. As pessoas são um conjunto de convenções. Acho piada à forma como estão tão próximas mas fazem os possíveis para não se tocarem. Ninguém me viu, ninguém me conhece. Não existimos. Mas não poderia ser de outra forma. Porque é de manhã e está tudo cheio de sono, é de manhã e todos desejariam estar noutro sítio, longe de mim, longe daqui. Uma senhora fechou os olhos por segundos e perante o dia cinzento lá fora, a sua pele parecia irradiar um fino momento de paz... até que volta a música alta, a criança a berrar repetidamente, o ruído da deslocação na segunda carruagem. Imagino como seria se ignorassem por momentos os limites, e alguém mandasse calar o puto e o rap, fugissem ao pica, e todos começassem a contar a vida uns aos outros, tendo como única coisa em comum serem perfeitos desconhecidos, a grande massa heterogénea diária e anónima. Mas não pode ser dessa forma. Por isso o comboio prossegue nos carris da norma, mais umas horas, mais um dia, mais um mundo."

Escrito pela nês no blog Sunset
Adorei, pura e simplesmente adorei.

2 comentários:

  1. E enquanto não houve greve, damos-nos por felizes de assim ser :D

    ResponderEliminar
  2. Não me façam falar acerca das greves da cp. NAO FAÇAM! ahahah

    ResponderEliminar

Dá aí a tua opinião