quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Bolachas missionárias

Vou ser sincera: eu e a Rita nao somos amigas do coração. Muito honestamente nós nem gostavamos uma da outra ao ínicio, eu porque achava que ela embirrava comigo (e embirrava!) e ela porque me achava fresca demais. Não, nós não gostavamos uma da outra realmente. Mas eu admirava-a, sempre admirei. Uns tempos mais tarde acabamos por nos tornar amigas e eu disse-lhe isso mesmo, que a admirava: 
A Rita é voluntária e professora em África (e noutros países) - não me perguntem quais que eu fico sempre confusa - a Rita deixa o seu país e os seus amigos para se ir encontrar com aqueles que hoje se tornaram seus amigos e que vivem num dos seus muitos segundos países para os rever e ensinar. É esta uma das razões pelas quais eu admiro a Rita, assim como a muitos outros missionários, mas mais à Rita, porque a conheço e conheço a sua história.

2 comentários:

  1. Bonito! Eu não sei se teria coragem, confesso.

    ResponderEliminar
  2. É algo que fazes quando algo de muito poderoso acontece na tua vida, digo-te isto porque todas as pessoas - e são várias - que conheço e que são voluntárias/missionárias outros países, uma das razões é porque algo extraordinário aconteceu com elas. Eu também não sei se seria capaz muito honestamente.

    ResponderEliminar

Dá aí a tua opinião