segunda-feira, 30 de maio de 2011

7 bolachas

7 coisas para fazer antes de morrer
-voltar à holanda e ANDAR de bicicleta
-ser mãe
-ver metallica ao vivo
-tirar arquitectura
-tirar a carta
-dar sangue 
-ir à Itália

7 coisas que mais digo
-lá lá lá
-CHIBIIII
-mamã, é MAMÃ (mais olhar mortífero)
-JÁ!
-tu não tens 5 anos! porta-te lá bem
-pooois...
-Vamos almoçar onde?

7 coisas que faço bem
-cábulas (é a minha arte desculpem lá)
-bolos 
-arrumação de armários
-desarrumação
-surpresas
-guardar segredos 
-chá

7 coisas que adoro
-voluntariado
-amigos
-ler
-chá de Lúcia-lima
-escrever coisas sem jeito nenhum
-desenhar riscos
-música barulhenta

7 coisas que me tiram do sério
-peixe cozido
-gente com a mania
-banalização de palavras
-frraxex c/ mtx errrox i abevriaturax
-graxa (ai que nervooos)
-"ai és perfeita, tudo o que fazes é perfeito, o mundo é perfeito"  até te dizia o que é que é perfeito mas...
-falsa modéstia

Bolachas 'negras como a noite'

sorriso estúpido e lágrimas nos olhos. 
"talvez um dia"

e esta música de fundo não ajuda nada

domingo, 29 de maio de 2011

Bolachas e as raparigas que lêem

"Namora uma rapariga que lê. Namora uma rapariga que gaste o dinheiro dela em livros, em vez de roupas. Ela tem problemas de arrumação porque tem demasiados livros. Namora uma rapariga que tenha uma lista de livros que quer ler, que tenha um cartão da biblioteca desde os doze anos.

Encontra uma rapariga que lê. Vais saber que é ela, porque anda sempre com um livro por ler dentro da mala. É aquela que percorre amorosamente as estantes da livraria, aquela que dá um grito imperceptível ao encontrar o livro que queria. Vês aquela miúda com ar estranho, cheirando as páginas de um livro velho, numa loja de livros em segunda mão? É a leitora. Nunca resistem a cheirar as páginas, especialmente quando ficam amarelas.

Ela é a rapariga que lê enquanto espera no café ao fundo da rua. Se espreitares a chávena, vês que a espuma do leite ainda paira por cima, porque ela já está absorta. Perdida num mundo feito pelo autor. Senta-te. Ela pode ver-te de relance, porque a maior parte das raparigas que lêem não gostam de ser interrompidas. Pergunta-lhe se está a gostar do livro.

Oferece-lhe outra chávena de café com leite.

Diz-lhe o que realmente pensas do Murakami. Descobre se ela foi além do primeiro capítulo da Irmandade. Entende que, se ela disser ter percebido o Ulisses de James Joyce, é só para soar inteligente. Pergunta-lhe se gosta da Alice ou se gostaria de ser a Alice.

É fácil namorar com uma rapariga que lê. Oferece-lhe livros no dia de anos, no Natal e em datas de aniversários. Oferece-lhe palavras como presente, em poemas, em canções. Oferece-lhe Neruda, Pound, Sexton, cummings. Deixa-a saber que tu percebes que as palavras são amor. Percebe que ela sabe a diferença entre os livros e a realidade – mas, caramba, ela vai tentar fazer com que a vida se pareça um pouco com o seu livro favorito. Se ela conseguir, a culpa não será tua.

Ela tem de arriscar, de alguma maneira.

Mente-lhe. Se ela compreender a sintaxe, vai perceber a tua necessidade de mentir. Atrás das palavras existem outras coisas: motivação, valor, nuance, diálogo. Nunca será o fim do mundo.

Desilude-a. Porque uma rapariga que lê compreende que falhar conduz sempre ao clímax. Porque essas raparigas sabem que todas as coisas chegam ao fim. Que podes sempre escrever uma sequela. Que podes começar outra vez e outra vez e continuar a ser o herói. Que na vida é suposto existir um vilão ou dois.

Porquê assustares-te com tudo o que não és? As raparigas que lêem sabem que as pessoas, tal como as personagens, evoluem. Excepto na saga Crepúsculo.

Se encontrares uma rapariga que leia, mantém-na perto de ti. Quando a vires acordada às duas da manhã, a chorar e a apertar um livro contra o peito, faz-lhe uma chávena de chá e abraça-a. Podes perdê-la por um par de horas, mas ela volta para ti. Falará como se as personagens do livro fossem reais, porque são mesmo, durante algum tempo.

Vais declarar-te num balão de ar quente. Ou durante um concerto de rock. Ou, casualmente, na próxima vez que ela estiver doente. Pelo Skype.

Vais sorrir tanto que te perguntarás por que é que o teu coração ainda não explodiu e espalhou sangue por todo o peito. Juntos, vão escrever a história das vossas vidas, terão crianças com nomes estranhos e gostos ainda mais estranhos. Ela vai apresentar os vossos filhos ao Gato do Chapéu e a Aslam, talvez no mesmo dia. Vão atravessar juntos os invernos da vossa velhice e ela recitará Keats, num sussurro, enquanto tu sacodes a neve das tuas botas.

Namora uma rapariga que lê, porque tu mereces. Mereces uma rapariga que te pode dar a vida mais colorida que consegues imaginar. Se só lhe podes oferecer monotonia, horas requentadas e propostas mal cozinhadas, estás melhor sozinho. Mas se queres o mundo e os mundos que estão para além do mundo, então, namora uma rapariga que lê.

Ou, melhor ainda, namora uma rapariga que escreve."

(texto roubado do blog "mug for tea", da Sara que por sua vez disse: Texto de Rosemary Urquico, encontrado no blogue de Cynthia Grow. Tradução “informal” de Carla Maia de Almeida para celebrar o Dia Mundial do Livro, 23 de Abril.)

sábado, 28 de maio de 2011

Bolachas e coisas-que-me-fazem-rir

E dizes tu que o problema é não termos fotografias bonitas juntas? 
Foi a desculpa mais esfarrapada que ouvi na minha vida...

Bolachas ricas

"Nem todos os tesouros consistem em ouro ou prata"

Bolachas e a corrente d'ar

Uma coisa é verdade: quando não te resta mais alternativas, tu lembras-te que eu existo.
À tarde foi o que foi, um pedido estúpido e uma afirmação "eu nunca tinha visto aquilo!" mas havia lá um comentário teu de Fevereiro como se a culpa fosse minha e tivesse que adivinhar aquilo que se passa nessas vossas cabeças repletas de corrente d'ar. Depois, à noite, não me apetecia minimamente sair, mas tu pediste-te e eu, feita estúpida, anuí. Saí, pedi-lhes para me virem buscar, diverti-me e esperei por ti, resultado? não vieste. Só dizias "quando chegar eu aviso" mas eram onze e tal e o aviso não chegara ainda. Nem desculpa nem nada, eu saí de casa por tua causa e tu nem desculpa me pedes, nem uma explicação, nem nada. simplesmente N-A-D-A . 
E agora voltas, com uma alegre mensagem a pedir-me uma coisa "U-R-G-E-N-T-E", que é tudo menos urgente. Um pedido até disparatado, e a minha vontade foi te dizer "olha lá, mas eu sou tua mãe por acaso?" e dizer-te para pedires a das tuas "bebés" ou lá como tu lhes chamas. 
É que eu não sei se estás a perceber... Tu na escola és capaz de passar por mim e nem me dirigir palavra e agora, quando te dá jeito, vens me pedir favores?! 
Eu gosto de ti mas... cresce lá um bocadinho.

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Bolachas bandidas

Temos bandido ahah

Bolachas 'literalizadas'

"É o seu calcanhar de Aquiles... - disse aquele tenente tímido para o capitão. Mas o capitão tinha raiva dessa gente literalizada que sabia frases e citações. Na hora da briga essa gente só sabe correr"
Seara Vermelha - Jorge Amado

De nada te serve saberes muita teoria senão souberes o que fazer na hora. Mas uma coisa te garanto: também não te serve de nada só teres força bruta, inteligência é uma coisa que nunca matou ninguém.

Bolachas mais IVA

"chamada 0,60euros +IVA !"
É com qualquer coisa deste género que eu acordo da minha maravilhosa sesta em frente á televisão enquanto está a dar o "boa tarde" na SIC, isto porque a conversa interessantíssima parece musica de embalar aos meus ouvidos, mas adiante, é com esta frase que eu acordo e penso "Mas porque é que não põem logo o preço definitivo?" (sim, eu tenho destes pensamentos quando acordo)
O IVA é nada mais nada menos do que uma maneira bastante subtil de fazer marketing: pomos o preço (sem IVA) bem grande e bem florescente e depois uma notinha de rodapé que diz "mais IVA", torna-se enganosa uma propaganda assim, é até indecente. Mas se formos a pensar, é até bastante realista. de certa forma acabamos sempre por pagar mais do que aquilo que achamos seja em bolachas, em chamadas telefónicas, em conversas ou mesmo na vida. 
Achamos nós que aquela conversa num tom de brincadeira não passa disso mesmo, de uma brincadeira. E depois vimos a descobrir que essa pessoa percebeu tudo ao contrário e que levou aquilo a sério. Acabamos por ter que pagar qualquer coisa que não estava nos nossos planos, e é assim a vida.

Bolachas e frases-que-não-são-minhas-mas-que-na-altura-tiveram-imensa-piada 5#

"-Querias me matar ?!
-Não, Dobby apenas queria mutilar ou ferir gravemente. "

Bolachas d'artes

-Então e o que é que vocês fazem nas aulas de desenho?
-Vemos a meteorologia...

Bolachas que encontro por aí

"Desde pequena que vi o Tarzan andar nu, a Cinderela a chegar à meia-noite, o Pinóquio mentia sem parar, o Aladin era ladrão, o Batman guiava a 320km/h, a Branca de Neve vivia com 7 homens, o Popeye fumava erva e tinha montes de tatuagens, o Mario comia cogumelos e o Pacman corria numa sala escura com musica electrónica e comia coisas que o deixavam todo acelerado. 
Como é que queres que eu não tenha uma granda pancada?  "

terça-feira, 24 de maio de 2011

bolachas com manteiga

não é à toa que assino como "manteiga"... é eu tenho realmente um coração de manteiga e derreto-me toda . baah

(na verdade a razão porque me chamo manteiga até não é esta mas prontoo. essa história fica para outra altura)

segunda-feira, 23 de maio de 2011

só bolachas desta vez

E é assim que se parte o coração a alguém. 
Vou-te explicar: podes partir o coração de um amigo, não é preciso essa pessoa estar apaixonada, basta ter um grande carinho por ti, uma grande amizade, e eu tinha. Não que tenha sido a primeira vez que fizeste isso, até que para ti deve ser uma coisa normalíssima, lembras-te que ao inicio eu ficava preocupada? Depois entendi que aquilo era normal em ti, e deixei andar. Mas tu exageras, e esperas sempre que eu volte tipo cadela, umas frases que soam a desculpa e siga para a frente, só porque eu não gosto de discutir e assumi que não tinha direito nenhum em me meter na tua vida. E não tenho, não quero, afinal tu também não te metes na minha. Gosto das coisas assim, visto que não dá para mais. Mas aquilo que me fizeste não se faz aos amigos, um dia talvez entendas isso.
Invariavelmente nós vamos continuar amigos, afinal, não passamos disso mesmo, amigos , e vai ficar tudo na mesma, mas tu vais me pedir desculpa ou então, lamento, mas estragaste tudo.

E digo-te mais: se amanhã eu aparecer na escola tristonha como hoje, a Cláudia vai-te bater.

domingo, 22 de maio de 2011

bolachas entereçantes

"entereçante"  --> é desta que me dá uma coisinha má .

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Bolachas e as melgas

Melgas não são bichos, são monstros.

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Bolachas e os cadernos 1#

"as mulheres que se riem são umas perdidas"
"Na minha terra "fofo" é ovelha!" (inclui desenho do stor em forma de ovelha, e várias ovelhas à volta.)
"o homem alegre é um homem que acredita em si"
"Leonardo da Vinci foi cozinheiro 2 dias, escreveu um livro de boas maneiras, inventou o garfo, inventou o prato, inventou o guardanapo e ainda inventou máquinas de guerra!"
"A Sofia Borges tem o primeiro nome igual ao da Sofia Herr. Coincidência" 
"'Deus é luz'. E as lanternas também"
"'O canto gregoriano'. Recuso-me a fazer piadas sobre isto"

"Descartes vai por em causa o velho edificio. coitado..."
"NAUGHTY daughter MOMmy <3"
"Estou a FRITAR"
(B.D.) "Sabes falar italiano? Claro que sei. Italiano! não itálico. Idiota"
"Morri"
"Rir"
"Aplausos. (clap; clap)"
"Ohh.."
"(ignore)"
"PADUNTZ!"
"Cri.. Cri.."
"-Como o Mozart. 
-(...)Hitler?
-Isso! "
"casa da mécia --> é o ultimo antes da casa" (desenho bem confuso cheio de riscos)

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Bolachas com um sabor antigo

Cada vez que cheira a terra molhada a minha mãe diz que "cheira a França" e, cada vez que ela usa o perfume preferido dela eu "viajo" para a feira-popular, mais concretamente para o comboio-fantasma, isto porque eu era pequena e quando me assustei agarrei-me a ela e o cheiro ficou.
Há imensos cheiros que me fazem "viajar", não consigo evitar de associar pessoas e momentos a certos cheiros. É como os sítios, assim que entro em determinada sala lembro-me logo de um episódio qualquer marcante, é inevitável.
Mas eu gosto (tem dias), porque eu sempre gostei de recordações. Sou daquelas pessoas que é capaz de passar uma noite inteira a ver fotografias e a recordar momentos. Passa-se o mesmo com as músicas, há músicas que me lembram pessoas, não é preciso ser "a nossa música"  até porque não tenho muitas musicas divididas às vezes basta teres sido tu a mostrar-me a música, ou que tenhamos passado uma aula inteira a ouvir aquilo, que a letra tenha tudo a ver contigo, que tenhamos cantado aquilo em sintonia ao telemóvel ou então aquela que escreves-te sobre mim. 
Há mil e uma razões para associar musicas, cheiros, sítios e até palavras!
Sim, palavras... Há palavras que me dão vontade de rir cada vez que as leio, tipo... "environment" que associo logo a "ambient" e daí viajo directamente para a minha sala de inglês do 8º/9º ano e me lembro do quanto nos rimos à pala da minha composição.

domingo, 15 de maio de 2011

Bolachas fugitibas

Vou arranjar um carrinho e vou fugir. Vou conhecer o mundo e tirar fotografias. Até ia de bicicleta, mas era capaz de demorar muito. Até ia de balão de ar quente, mas é complicado. Até ia de avião, mas depois arriscava-me a só ver nuvens. Logo, vou de carrinho. Conduzes tu ?

Bolachas banalizadas

Reparei agora que o blogger me apagou um post, que eu até gostava muito. portanto, vou voltar a postar a mesma coisa. e tu oh blogger, NEM TE ATREVAS a apagar isto de novo. Estás avisado :D

"Usamos e abusamos da palavra “amigo”, passamos a vida a fazê-lo quer queiramos quer não. Conhecemos alguém e passado o primeiro minuto já o chamamos de “amigo”. Sim, porque não os queremos chamar de “conhecidos”, que isso soa mal e faz-nos ficar mal vistos. É como no Facebook, basta mandarem-nos um pedido e zás “X e Y são agora amigos”.
Banalizámos essa palavra e então tentamos arranjar outra palavra ou expressão, para descrever aqueles que estão acima dos “amigos”, assim surgem os bff’s.
 Com o passar do tempo, vamos riscando pessoas da nossa lista dos “amigos”, porque eles têm atitudes que nós não consideramos como sendo dignas de um “amigo”. Riscamo-las não por culpa deles, mas por nossa própria culpa, nós é que transformámos um mero conhecido num amigo. A culpa é toda nossa, porque “são estas as pessoas a que chamamos de amigos”. Tenho a certeza que, se separarem os amigos dos conhecidos, e se os começarem a contar, dificilmente vão precisar dos dedos dos pés. "
by Sara Franco

Em jeito de completar aquilo que ela disse, acrescento:

E a palavra "amigo" está tão banalizada quanto a palavra "amo-te" . Simplesmente já conhecemos tanta gente e a vida é tão inconstante que temos quase que necessidade de usar ambas as palavras só para nos sentirmos como quando estamos aninhados, confortáveis. Eu evito-as assim como evito cair mas às vezes é inevitável tudo porque nos magoamos com elas, quando realmente percebemos que não passam de palavras. As pessoas deviam fazer os mesmo, deviam acabar com estas coisas das ilusões e dos "para sempre", talvez até seja verdade mas um "para sempre" torna tudo mais difícil, porque o "para sempre" é uma promessa e, sabe-se lá quantas promessas já foram quebradas. Talvez não por culpa de alguém mas por culpa de toda a gente. E no fim acaba tudo magoado. Acaba com as ilusões, porque se não te iludires e pensares "isto pode durar só até 5ª feira" quando chega à sexta estás surpresa. e não há nada melhor do que surpresas
Usa as palavras com jeitinho.

sábado, 14 de maio de 2011

Bolacha Maria "está numa relação e é complicado"

É triste saber das novidades daqueles que tu consideras amigos próximos através do Facebook. É realmente bastante triste, mas não é a primeira vez que acontece com a mesma pessoa daí que já não é surpresa.
Pode até ser a gozar, mas, se for a gozar é estúpido pores lá "casada com X" ou "noiva de Y" . Casamento, noivado, namoro (...) são coisas um bocado a sério, acho que não devias "brincar" com esse tipo de coisas, só demonstra desespero e mai nada
E se estás numa relação complicada e eu sei bem o que isso é, não me parece que a pessoa em questão fique lá muito contente com o rótulo de "complicado", se é complicado vocês os dois (suponho eu que sejam dois!) que tratem de perceber porque é que é complicada e decidam de vez o que são, agora "é complicado" é um estado de relação bastante interessante e também bastante confuso para os teus possíveis e futuros namorados pela simples razão que eles não fazem ideia se tu estás "livre, mas é complicado" ou "comprometida, mas é complicado"
Isto sim, é complicado.

sexta-feira, 13 de maio de 2011

bolachas e a árvore

Aquela árvore estava ali desde que me lembro, aliás, estava ali desde que TODA A GENTE se lembra. 
Serviu de abrigo aos jovens da geração anterior à minha, e eu própria lembro-me de ir para ali às vezes, em pequena; já mais velha também cheguei a ir para lá, embora poucas vezes. Mas seja como for, era naquela árvore que estavam marcadas as noites de verão de muita gente. 
Agora digam-me... com que direito é que vocês a cortaram?

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Bolachas sinceras

"já pensei nisso muitas vezes. Mas, se quer saber, normalmente funciona - arrisquei um sorriso desarmante - muito bem. NÃO lamento nada.
Prefiro assim - disse Effie - assim já acredito"

in Valete de copas e dama de espadas


Vês como é simples? Nada melhor que ser sincero pois nunca te darás mal se disseres a verdade. Mais ou menos...

terça-feira, 10 de maio de 2011

BVNI

ora... se eu atirar uma pedra ao ar e tu não perceberes que é uma pedra, eu tornei-me oficialmente a criadora de um OVNI.

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Bolachas com autoria

"saudade é um sentimento que quando não cabe no coração, escorre pelos olhos" - Bob Marley

sinceramente, por muito que eu queira acreditar, não consigo crer que Bob Marley tenha dito tantas frases célebres, ele pode ter dito muita coisa e muita coisa bonita, mas começam a ser frases a mais dele. Se calhar sou só eu que não acredito nestas coisas.. vai se lá saber!

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Bolachas desajuizadas

"Eles não têm um pingo de juízo mas agora são os teus companheiros"

como isto é tão verdade :D

quarta-feira, 4 de maio de 2011

tens bolachas à espera.

Que tu digas piadas durante a aula ainda se atura, até porque alguém tem que animar aquelas aulas (embora algumas sejam realmente más), mas quando te metes com um dos nossos, sem sequer o conheceres e fazendo com que ele seja ridicularizado, ai é que já está mal.
Estiveste perto de apanhar um estalo

Bolachas para ti

Já escrevi pra'i umas 7 vezes o post mas nunca consegue ficar à tua altura, tens um nível demasiado baixo.

Mas uma coisa te garanto: tu tens coragem, lá isso tens. E sorte.

domingo, 1 de maio de 2011

bolachas esquesitas

Isto anda esquisito, não anda ?