sábado, 30 de abril de 2011

BO-LA-CHA

Se tu visses o que eu vi, DO-MI-NO
Lá no centro-comercial, DO-MI-NO
uma miuda de seis anos, DO-MI-NO
vestida como uma... pronto, chega. Só vou dar uma imagem:
->leggins tigresa; botas; camisola branca justa; colete de pele. com SEIS ANOS! 

Lembram-se do meu post (na época de natal) em que falava da popota e da leopoldina? Pooois, está tão actual...   [ver bolachas com jovens precoces no recheio]


Bolachas massagistas

(fazendo massagens)
Ela- AI!!
Eu-Desculpa, tive um acesso de maldade.
(continuando)
Eu-calma, calma, agora não posso fazer mais. Tenho que parar.
Ela-Esta-te a vir a maldade toda?
Eu-Está.

sexta-feira, 29 de abril de 2011

bolachas de chocolate

Nove em cada dez pessoas diz que gosta de chocolate. A outra está a mentir.

Bolachas em crise

três e meia da tarde e o centro comercial está CHEIO. tão cheio que nem há lugar para estacionar.
minha gente! onde é que anda a crise pode-se saber?

bolachas sorridentes

Ela - blá blá blá e ele estuda artes...
Eu - tchiii, olha-me pro sorriso delaa.

quinta-feira, 28 de abril de 2011

bolachas e o amor

"Amor, Amore, Love, Amour, Liebe

O Amor em Portugal é um sopro ou um segredo, mas nunca é um grito. Os portugueses escondem a palavra "Amor" debaixo da língua ou atrás dos dentes como se tivessem vergonha de a soltar e, não vá ela morder alguém, quando a deixam vir cá fora espreitar amordaçam-na com o acento circunflexo (ô) que está lá mesmo sem estar.
Já os ingleses dizem "Love" como quem vai beber uma Pint a um pub, o que torna a palavra um tanto ou quanto banal. Aplicam o "Love" tanto a uma pessoa como a um objecto qualquer. Se uma inglesa me disser "I Love you" alguma vez na vida, ficarei sempre na dúvida se ela me ama ou se me quer comprar. A palavra "Love" não se esconde como a palavra "Amor", mas circula de boca em boca como um bêbado solitário o faz nas ruas de Londres: sem dar cavaco a ninguém.
É por isso que gosto da Itália, onde "Amore" é tão grande que é difícil escondê-la onde quer que seja, quanto mais num canto da boca ou atrás dos dentes. O "Amore" é aberto e confirma-se sempre com o "Io te voglio tanto bene" para que não restem dúvidas e para que a coisa venha com garra.
A garra, precisamente, é o que falta aos franceses. O "Amour" nunca vem só, é servido numa taça com champanhe, flores e caviar como se só pudéssemos ter o seu usufruto se lavássemos primeiro as mãos e nos vestíssemos apropriadamente. Exactamente o contrário dos alemães, cujo "Liebe" parece ter tesão para pouco mais de cinco minutos.
A forma como se diz "Amor" quer dizer tudo sobre um povo, e se é verdade que nós não somos capazes de gritar como os italianos, não nos queremos vulgarizar como os ingleses, não somos de floreados como os franceses nem martelamos como os alemães, também é verdade que segredamos como ninguém.
O nosso "Amor" é assim, um segredo que vagueia entre a louca nudez de um dia de Verão e a tristeza momentânea de um dia de chuva. Somos assim. Eu sou assim. De facto tenho orgulho nisso, num Amor que é  tão saboroso quanto melancólico e que só se dá quando os lábios se aproximam do ouvido e dizem: "Eu Amo-te!". "


o texto não é meu, como se nota ao longe. É deste blog: http://naocompreendoasmulheres.blogspot.com/ . 
Só tenho uma coisa a declarar: está genial.

quarta-feira, 27 de abril de 2011

bolachas "4ever" ahahah

não, não, NAAOOOO. só podes estar a gozar comigo ! só pode ser brincadeira, só pode! ahahah
eu bem reparei que vocês andavam todas a comprar camisolas iguais e, usavam todas a camisola no mesmo dia, mas, PUBLICAR fotos TODAS VESTIDAS DE IGUAL? ai isso é que me mata de riso !
Eu ainda achava que tinhas o mínimo de cabeça mas acho que me enganei. que piroseira ahahah

agora põe na descrição "amigas forever"

Bolachas assim que pedires

"Dizem que os BONS AMIGOS podem passar longos períodos de tempo sem falar e sem se ver que nunca questionam a sua amizade. Estes amigos, quando se encontram, comportam-se como se tivessem falado no dia anterior, sem ter em conta o período de tempo em que não se viram ou a distância a que vivem um do outro."
É verdade, a mais pura de todas as verdades. Não podia estar mais de acordo. Eu própria tenho esta experiência, eu própria já vivi isso montes de vezes. Não precisamos de falar todos os dias, não precisamos de nos ver todos os dias e, não precisamos de saber as novidades assim que acontecem. Tu sabes disso, e eu também sei.
Por um lado até é bom estar-mos longe uma da outra, é da maneira que não nos fartamos e, quando estamos juntas qualquer momento é especial e diferente. Não és de longe a minha melhor amiga, mas és sem duvida uma super amiga que, se eu precisar vai lá estar. Mas é um estar lá não sobrecarregado, não é daqueles "estou lá assim que perceber que estás mal" é um "estou lá assim que me pedires" e, isso por vezes até é melhor. Por vezes queremos a companhia de um "amigo por fora" que simplesmente concorde connosco e não se ponha cá com lições de moral, simplesmente está lá a dizer "vá, tem calma que não estás sozinha" e isso é bom. Chega até a ser fantástico e, é por isso que gosto tanto de ti.
obrigada <3

Bolachas que engordam

"Aquilo que é bom mata, engorda ou é imoral"
tu matas-me ahah

segunda-feira, 25 de abril de 2011

Bolachas divertidas

Eu nem acredito que vou começar nisto. Mas, por mais feliz que esteja, isto precisa de uma espécie de abananço.  
'Bora nessa? 'boraaaa     ahahah

domingo, 24 de abril de 2011

Bolachas e frases-que-não-são-minhas-mas-que-na-altura-tiveram-imensa-piada 4#

-anda lááá...
-MAS EU NÃO TENHO MEDO DA RÚSSIA!

as coisas que eu oiço num hospital psiquiátrico...

bolachas fotogénicas

Quando estás feliz és sempre fotogénica/o . Nota-se isso porque ficas mais... brilhante !

Bolachas feitas com fermento

"não te vou pedir mais prendas, não preciso disso, basta-me dar-te a minha amizade"

E este foi um dos momentos marcantes do campo para mim. É com frases deste género, ditas por pessoas diferentes mas iguais a nós, que nós crescemos. E é por estas e por outras que eu ainda não me sinto preparada para parar com isto, não para já.

bolachas apostadas

EU -Huum.. acho que ele não vai voltar.
TU -Claro que volta, ele não ia faltar só porque ela não vem. Tem cá os amigos todos!
EU -Olha que não sei... também era suposto ele ter andado comigo lá na viagem e, quase nem o vi.
TU -Não exageres, vais ver que ele vai vir, eu conheço-o. Queres apostar?

Perdeste, eu bem te disse.

quarta-feira, 20 de abril de 2011

bolachas e a teoria da massa fria

TEORIA DA MASSA FRIA

um jovem faz tudo segundo a lei do menor esforço. Faça-se a seguinte experiência:
Arranje um jovem como cobaia, chamemos-lhe "jovem A", em frente do jovem A ponha uma taça com massa do dia anterior, fria está claro! E, numa outra sala ponha um micro-ondas.
Vai verificar que em 96% dos casos, o jovem A acaba por comer a massa assim mesmo, fria. Declarando que "dá para comer assim e, até nem fica má".
É esta a teoria da massa fria, só esta.

Bolachas turistas

conclusão da viagem "de estudo":

Amesterdão cheira a ganza;
Brugges cheira a terra molhada;
Bruxelas cheira a wafles;
Paris cheira a... poluição

terça-feira, 12 de abril de 2011

Cookies on fire

and now... a prova de fogo

vão ser as melhores férias da minha vida.

bolachas e o casaco

Está certo, fomos irresponsáveis mas, nós estávamos em pânico! E, na altura não parecia assim tão mau, visto que não doía.
Só não entendo é como, no meio de tanta aflição, tanto sangue, tanto pânico, eu ainda me lembrei de tirar o casaco para não o sujar! isto ainda me dá vontade de rir 

moral da história: aconteça o que acontecer, não sujes o casaco .

Olha! bolachas ...

Eu não te entendo. juro que não te entendo, mas já nem faço por te entender. 
Tenho mais que fazer.

sábado, 9 de abril de 2011

Bolachas e frases-que-não-são-minhas-mas-que-na-altura-tiveram-imensa-piada 3#

"-A camisa do avô cheira à minha stora de artes, porquê?
-Ahh.. é do incenso do avô...
-Chama-lhe incenso chama-lhee..."

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Bolachas com efeitos coloridos

Quando eles se conheceram, ela pintou-o de amarelo, porque ele fazia-a rir e, o amarelo tinha esse efeito sobre ela, simplesmente fazia-a rir. Depois pintou-o de uma cor mais inteligente, tipo castanho. No dia seguinte conversaram a sério e ela pintou-o de branco, para nessa mesma noite o pintar de laranja, porque ela simplesmente gostava de laranja, e de repente esse laranja tornar-se vermelho, mas ela decidiu então pinta-lo novamente de amarelo e depois de verde, o verde nem ela sabia bem porquê mas parecia a cor certa, o amarelo foi porque ele a fez rir, outra vez. Depois ele foi-se embora, e ela pintou-o de uma cor neutra, como cinzento. Já longe ela pintou-o de amarelo, laranja, vermelho, verde, roxo, transparente, castanho, bege, branco, preto, azul, de todas as cores, menos cinzento, porque cinzento é uma cor indiferente, neutra, vazia. E depois ela percebeu o que era uma amizade colorida afinal, cheia de pintas, salpicos, riscos, curvas e contra-curvas.

Pessoalmente, eu nunca fui muito fã do cinzento. Mas sempre gostei de amarelo.

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Bolachas leves

Não sei porquê, mas algo me dizia que aquilo não ia correr lá muito bem. Dito e feito. Não deu em nada, e ainda bem, porque eu adoro ter ferias a dormir até tarde, e só assim é que consigo. Ainda bem.
Mas... de que é que vocês estavam à espera? Desorganizados como somos, poucos como somos, com as ideias que copiamos à descarada dos escuteiros temos, era obvio que aquilo ia dar pro torto.
Está mais do que esclarecido que nós só lá estamos com um único objectivo: estarmos juntos. É uma desculpa para sairmos de casa, só isso.  O que vale é que todos temos uma noção bem clara disso, embora vocês, mundo em geral, continuem a fazer mega planos, que não dão em nada.

Só para reforçar: ainda bem :D acho que nunca tive o coração tão levezinho

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Bolachas daquelas que tu não gostas :D

Aquilo que ela disse é verdade. E tu ficaste todo chateadinho porque foi ela que disse, e não eu. Porque se fosse eu, tu ignoravas e continuavas a fazer o mesmo, como foi ela, tu percebeste que aquilo que andavas a fazer não estava certo. Ela chamou-te á razão, fez-te ver a realidade e, tu não gostaste do que viste, logo vieste reclamar comigo por eu não ter me metido na conversa, aliás, até fugi dela porque vi logo que ia dar discussão. E, também não gostaste nada quando percebeste que eu concordava com tudo o que ela disse, sim, porque tu percebeste, via-se claramente na minha cara que eu concordava com tudo e que, estava-me nas tintas para se tu fazias birra ou não por uma coisa que até é verdade. Eu só tinha vontade de me rir de ti, não era aquele rir de gozar contigo, era o rir poruqe tu estavas a perceber a realidade e, não sabias o que fazer, logo reclamavas comigo para ver se eu te dava um motivo para amuares. mas eu não dei, e tive vontade de rir. 

Ela merece uma salva de palmas, porque conseguiu aquilo que nunca ninguém tinha conseguido. Merece, não merece?

Bolachas tipo ponto-de-interrogação

Porque é que cada vez que vejo um polícia, por mais simpático que possa ser, nunca tem um ar lá muito inteligente?

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Bolachas mentirosas

Hoje devia ser feriado para os políticos. Tipo o "dia do trabalhador" afinal... hoje é dia das mentiras!