domingo, 26 de dezembro de 2010

Bolachas com Natais injustos e sumo de limão

Ao ler um blog que acompanho, percebi que nem todos temos um Natal genial, como eu tive. 
Tenho noção que há outras realidades, e, por mais que tente não me esquecer, acabo por me perder em toda a fantasia em que fui criada: Uma grande família feliz, sempre juntos e tudo mais. 
Por vezes nós esquecemo-nos que, enquanto temos a mesa cheia de perus e bacalhaus (e ainda reclamamos porque preferíamos salsichas!), outros não têm nada. Enquanto nós estamos numa casa com aquecedores e acendemos a lareira por brincadeira, muitos estão nas portas das lojas em Lisboa, a tentarem se aquecer. Enquanto que nós estamos em família, a tirar fotografias e a fazer palhaçadas, há pessoas que estão no Hospital, a passar aquele que talvez seja o ultimo Natal que tenham com o avô/tio/padrinho/pai . 
Não é só nesta época que isto acontece, mas, é talvez a mais triste. Porque natal, além prendas e consumismo, é amigos e família, amor e carinho.
Por vezes, devíamos parar um bocado, olhar em volta e pensar no que podíamos fazer melhor pelo mundo, pela sociedade, por estas pessoas que estão sozinhas. E garanto, por experiência própria que, depois de ajudar alguém que realmente precisa, fica um quentinho no coração que sabe tão bem... 
Não é preciso ir muito longe para fazer alguém feliz, a serio, não é preciso ir ajudar num lar ou coisa do género, por vezes basta simplesmente olhar para o lado, e, fazer alguma coisa simpática.
Vê-se na televisão aquelas pessoas a servirem almoços/jantares de Natal, ora, essas pessoas só merecem ser "apreciadas" nesta época? muitas fazem aquilo o ano inteiro, sem que lhes peçam, sem que lhes dêem nada em troca. Estas pessoas mereciam um prémio, todas elas.
Percebo agora, finalmente, que realmente há Natais injustos. E, embora não possa fazer grande coisa para mudar isso, qualquer coisinha que eu faça, pode mudar muita coisa para alguém. Disso, eu tenho a certeza.

Bolachas com doces natalícios

É nesta época de engorda natalícia, em que a mesa está rodeada por doces, guardanapos festivos, bebidas e copos de festa que me pergunto:  Porque é que em criança comia montes de chocolates e não me fartava e agora como dois e já estou pra vomitar enjoada? Porquê?

E este Natal, os meus adorados sonhos ficaram por se realizar, tudo porque a minha tia prefere azevias. 
Blaarg, onde é que já se viu bolos com grão?!

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Bolachas com peru recheado

Feliz natal, e desta vez, experimenta viver  o Natal com o espírito natalício, experimenta não comprar o centro comercial inteiro porque o Natal não é isso. O natal é estar em família e oferecer paz, amor e carinho. Esquece aqueles stresses de ultima hora "falta-me a prenda para a Maria-da-esquina!", esquece isso, vive a essência das coisas. Vive o mundo que ele deixa-te viver.
Tenta, experimenta, ensaia, arrisca, aproveita aquilo que o mundo te dá. E, Feliz Natal.

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Bolachas feitas a frio.

Sol, Sol, eu só quero Sol e calor ao mesmo tempo!
Não é esta loucura moda nova de: Muito calor mas a chover torrencialmente, ou, um sol espectacular mas um frio de rachar. Assim ninguém se entende!
Que loucura de tempo. 
Só de pensar que a culpa é nossa...

sábado, 18 de dezembro de 2010

Bolachas com a retrospectiva do ano e açúcar

Aconteceu muita coisa, mudou muita coisa.
Perdi amigos, ganhei novos. Apaixonei-me e desapaixonei-me com a mesma rapidez. Conheci novas cidades, fui a sítios inesquecíveis. Fiz coisas que nunca pensei fazer, fui feliz e julguei que estava perdida. Chorei pelas três razões possíveis: alegria, tristeza e raiva. Tive saudades e matei-as. Prometi a mim mesma que não voltava a fazer o mesmo e fiz. Chateei-me e resolvi. Gritei com alguém e comecei a rir-me logo a seguir. Fiz algo por impulso e arrependi-me. Não deixei me levar pelos impulsos e arrependi-me na mesma. Fiz alguém feliz, mas também levei alguém á loucura. Fiz-te pensar melhor e perceber que talvez eu tinha razão. E o mesmo aconteceu ao contrário. Conheci bandas, conheci culturas e mudei os ideais de alguém, mesmo que inconsciente. Fiquei marcada por algo que não fiz, fui criticada mil e onze vezes, percebi aquilo que te ia na alma e tive vontade de me rir. Chamei-te previsível, porque o és, e deixei-me ser enganada porque simplesmente gostava da sensação. Acreditei em magia e pensei que talvez ela não existisse. Fiz silencio, mas também fiz uma festa em honra de alguém. Percebi que cresci, que cresces-te e, risquei muita coisa da minha vida, porque eu não apago, apenas risco, para um dia mais tarde conseguir ler e, evitar os mesmos erros.

acho que foi um ano em cheio, quero mais assim. 

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Bolachas com jovens precoces no recheio

Quando eu era mais nova, em qualquer natal, eu levantava-me bastante cedo a fim de ir ver desenhos animados, que na altura eram pokemons, digimons (dos quais eu só gostei da 1ª série), navegantes da Lua, dartacão, entre outros, e, como na altura ainda não havia TV cabo para ninguém quase ninguém, tinha que aturar os intervalos entre cada um. 
Estes momentos de tempo perdido intervalos serviam para que as fortes empresas de bonecos tentassem me aliciar com aqueles bonecos. 
Entre estas publicidades que eram todos os anos iguais (pirulipipi, tamagochi, hot wells, e mais uns quantos) estava a célebre publicidade do continente e da Leopoldina, que na altura era inspirado no Poupas amarelo um pássaro amarelo e gordinho, que levava as crianças até um mundo encantado.

Passaram-se os tempos, eu cresci mas, continuei a apreciar a evolução das publicidades. E reparei que o pássaro gordo e amarelo a Leopoldina cresceu também, e como em  qualquer adolescente normal, além de ter emagrecido bastante e de as mamas os seios terem crescido, arranjou uma amiga. Sendo esta um paquiderme  hipopótamo (que pelas leis da natureza é grande) que não só também é aceitavelmente magra como dança músicas Pop vestida de menina-da-esquina à verão (sendo que é inverno).

depois o mundo admira-se de as crianças serem cada vez mais precoces em certos assuntos. Pudera! Com exemplos destes queriam o quê? 

Antes:
-Mamã, compra-me aquele vestido-cor-de-rosa-parecido-ao-da-barbie..

Agora:
-Mamã, compra-me aquele maillot-preto-com-rendinhas-com-a-cartola-como-brinde-que-a-popota-usa..Vá lááá..

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Bolachas com inteligencia á mistura

(aula, professora a falar sobre o expressionismo abstracto)
-E este estilo alastrou-se por vários países, incluindo a Europa!

Alguém devia lhe explicar que a Europa não é um país... talvez um dia venha a ser, até porque faria sentido e até dava jeito, tipo E.U.A., mas... ainda não é...

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Bolachas com FW/RE

Digam-me lá...
Qual é o objectivo dos email's correntes? Assustar-me?! É que se o objectivo for esse, lamento, mas não funciona. 
Ninguém se assusta com uma frasezinha escrita por alguém lá para os confins do mundo que diz “se não passares para os teus amigos vais ter 15 anos de azar”, então... e se eu não tivesse amigos? Ia ter 15 anos de azar por isso? 
Por vezes até aparecem uns email's com umas coisas giras e tal, mas depois a típica frase “repassa ou morres!” mas alguém acha que isto funciona? Oh, tenham paciência!

E para finalizar: põe isto no mural do teu facebook ou terás a pior semana da tua vida   muahahah

sábado, 4 de dezembro de 2010

O inicio das bolachas

4 de Dezembro de 2010,este é o inicio de algo que vais ver crescer.

bolacha 
(bolo + acha)
1.Espécie de biscoito de farinha muito fina. 
2.Bofetada

esta é a definição do dicionário, e agora? :D